QUEBRANDO A BANCA (21 / 2008)

julho 20, 2008 às 8:31 pm | Publicado em Filmes | 3 Comentários

Davi Cruz – Nota 7,5

QUEBRANDO A BANCA é um filme bacana e fácil de se ver. Apesar de tratar de um tema que, supostamente, deveria ser complicado (matemática) ele acaba não exigindo, em nenhum momento, o uso de mais do que meia dúzia de neurônios.

Porém, isso acaba não se traduzindo em vantagem nenhuma para o filme. Além disso, sei que, nem sempre, um bom elenco e uma idéia promissora são garantia de um bom filme. Porem aqui eu realmente esperava por algo melhor.

QUEBRANDO A BANCA conta a história de um grupo de estudantes do MIT que, liderados pelo professor Micky Rosa (Kevin Spacey), conseguem arrecadar grandes somas de dinheiro em Las Vegas, jogando blackjack e vencendo através de um complexo sistema de contagem de cartas.

Um dos problemas iniciais do filme é justamente a desculpa criada pelos roteiristas para que o herói (e gênio) Ben se envolvesse com esse pessoal: ele precisava da grana para conseguir realizar seu sonho e ingressar no curso de medicina de Harvard .

1 – O cara já estava prestes a se formar no MIT, com as melhores notas da faculdade. Ele não poderia arrumar um emprego antes?

2 – Desde quando alguém com 21 anos precisa de desculpas esfarrapadas para querer ficar rico?

Outros pontos da história são legais, apesar de clichês: os amigos nerds  que ele abandona e depois se arrepende, seu interesse na garota mais bonita da escola, etc.

Também gostei das seqüências de jogo em Las Vegas, divertidas e tensas. A forma como o raciocínio de Ben é ilustrado também me agradou.

Até aí tudo bem. Apesar da desculpinha do Ben, eu estava gostando bastante do filme. Não era nada de excepcional, mas era um filme bom. O que realmente me decepcionou foi a parte final:

1 – Ben precisava agir como uma criança mimada? Não havia nenhum motivo para aquilo. O outro menino, Jimmy, estava com ciúmes de Ben e ainda por cima bebia demais – por isso, suas besteiras até eram aceitáveis. Porém, a atitude de Ben me soou forçada demais.

2 – Sem querer entregar muito o final do filme: totalmente ridícula a atitude do professor Rosa. Primeiro, sem saber lidar com o seu aluno prodígio (e fonte garantida de renda) e, depois, voltando a confiar nele daquela forma… Putz…

Enfim, são falhas de roteiro importantes demais para passarem despercebidas e acabam comprometendo muito um filme que tinha tudo para ser um dos melhores do ano. Realmente é uma pena.

3 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Olá, Davi!

    Parei de assistir esse filme + ou – faltando uns 40 minutos para acabar, por algum motivo que não me lembro, e já vi nem vale a pena assistir o resto.

    Abraço!

  2. Medicina é curso de pós-graduação nos EUA.
    Leia o livro que inspirou o filme: é um tanto diferente e, acredite, MUITO MELHOR.

  3. Saulo, valeu pela dica – embora, eu ainda ache meio estranho, mesmo que seja um curso de pós-graduação, o cara partir para uma área tão diferente da dele.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: