BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS (2008)

agosto 9, 2008 às 9:45 am | Publicado em Filmes | 5 Comentários

Depois de três tentativas frustradas, devido à superlotação do cinema, finalmente consegui assistir ao badalado BATMAN: CAVALEIRO DAS TREVAS. Isso que, nesta porcaria de cinema, só havia a versão dublada do filme (sei, é um absurdo, mas é melhor do que nada).

A primeira coisa que me chamou a atenção foi a enorme quantidade de crianças presentes na sala – muitas delas com bem menos do que 12 anos. Fiquei imaginando se aqueles pais não liam jornais, revistas ou acessam a internet. Qualquer pessoa minimamente informada sabe que, definitivamente,  aquele não era um filme para criança.

Bom, bastaram alguns poucos minutos de exibição para todas as crianças (e os adultos também) ficarem em silêncio, permanecendo assim até o final do filme. Talvez até estivessem com medo ou simplesmente dormindo, mas desconfio que estivessem fazendo um esforço colossal para tentar entender o complexo roteiro.

Tenho que admitir: o diretor Chistopher  Nolam é muiiiiiito corajoso. Em momento algum, ele tentou tornar as coisas mais fáceis ou comerciais. Pelo contrário, fez um filme extremamente tenso e cerebral .

A história trás um BATMAN cada vez mais preocupado com os efeitos colaterais da sua presença em GOTHAN CITY. Apesar de intimidar os criminosos comuns, BATMAN acaba atraindo (senão “gerando”) a mais diversa gama de malucos para a cidade. Alguns se vestem tal qual o herói e põe em risco a própria vida, tentando combater os criminosos. Outros se tornam criminosos, cada vez mais preparados e dispostos a tudo para enfrentar o homem morcego.

Apesar do clima tenso, existe esperança no ar e ela responde pelo nome de Harvey Dent, o novo promotor da cidade. Íntegro e corajoso, Dent aos poucos consegue banir os criminosos das ruas. Sua presença também fortalece o futuro Comissário Gordon, antes cercado apenas por policiais corruptos.

Já Batman, por sua vez, lembra o Capitão Nascimento (TROPA DE ELITE) uma vez que vê Harvey Dent como seu potencial substituto (ou seja, sua chance de se aposentar).

Falando em Batman, neste filme o personagem concebido  por Christian Bale não utiliza qualquer artifício para conquistar o público: não sorri, não tenta ser bonito e é muito arrogante e violento.

É nesse clima que surge o Coringa, vivido magistralmente pelo falecido Heath Ledger. Potencialmente perigoso desde o primeiro segundo em cena, ele me lembrou muito o John Doe de Kevin Spacey (no clássico S7VEN), pois é um personagem sem limites, sem medo, totalmente enlouquecido e, acima de tudo, brilhante na concepção dos seus diabólicos planos.

A maior demonstração do grau de insanidade dele é a cena onde, após conseguir cumprir sua parte do acordo com os mafiosos da cidade e, por isso, receber a metade do dinheiro deles, ele simplesmente coloca fogo no dinheiro (que formava uma verdadeira montanha), pois “não precisa de dinheiro”.

Não revelarei mais sobre a história para não estragar a surpresa, principalmente porque uma coisa que me chamou a atenção é que todos os trailers do filme, mesmo longos e interessantes, praticamente não revelam nada sobre a história. E isso é excelente!

Voltando a direção do filme, é impossível não citar a forma insuportavelmente tensa com que a ação transcorre. A cena da perseguição de carros, com o Coringa no caminhão, por exemplo, é fantástica e me chamou a atenção por não ter, em todo o seu andamento, um único acorde de música. Tudo o que ouvimos são os sons orgânicos da cena (tiros, freadas, explosões, etc).

Aliás, a trilha sonora do filme todo é extremamente econômica. Até porque, o visual é tão grandioso que não necessita de nenhuma música para reforçar essa idéia.

Outra cena absurdamente perfeita é aquela que mostra o hospital explodindo. Primeiro temos o Coringa tentando acionar o mecanismo e, depois, sem cortes aparentes, tudo pega fogo e explode.

Aliás, gostei de todo o tom realista empregado no filme. Batman realmente luta, no corpo a corpo com os bandidos, os mecanismos (Batmóvel, armas, acionadores de explosivo, etc) realmente parecem funcionar e não se percebe o uso de computação gráfica nas cenas (claro que ela está lá, mas de forma discreta).

Os defeitos do filme são poucos. Um deles é a atriz Maggie Gyllenhaal, que interpreta a Rachel Dawes. Se era para mudar de atriz (esse papel, em BATMAN BEGGINS, era da sra. Tom Cruise, Katie Holmes), porque não utilizar uma mais bonita? Essa é tão sem graça…

Achei também que a transformação de Harvey Dent no Duas Caras também foi muito rápida. Tudo bem que a sua namorada morreu e ele ficou com aquele rosto todo detonado. Mas ele não tentou, em nenhum momento, ser submetido a algum tratamento que melhorasse o seu rosto. Além disso, acharia mais interessante se, durante algum tipo de tratamento, ele fosse traído por colegas corruptos – se possível pelo prefeito “Richard Alpert”.

Ah, e não gostei da Bat-Moto (ou batpod). Pra mim, ela foi o único equipamento não realista do filme, pois obviamente não conseguiria fazer curvas com aqueles pneus enormes. A movimentação dela ficou muito artificial.

Enfim, poderia ficar aqui o resto do dia, falando agora das cenas legais do filme. Ao invés disso, vou encerrar situando aquela que foi a seqüência mais significativa do filme para mim: aquela dos dois barcos. Pode até ter parecido longa demais, piegas, mas ela mostra algo que todos deveriam ter em mente. Não adianta termos Batman, Harvey Dent, Comissão Gordon, Super-Homen, presidente, vereador, etc. As coisas só vão mudar no momento em que o povo se conscientizar. Não existe salvador da pátria. Existem sim, ações objetivas que cada um de nós pode fazer no dia a dia.

Só por esse tipo de mensagem, incluída em um blockbuster desse tamanho, BATMAN já vale a pena. Mas o filme não é só isso. Ele é um filme fantástico, que de tão bom e moderno, pode até parecer estranho para algumas pessoas.

Fui ao cinema quarta-feira (06/agosto), assistir novamente esse maravilhoso filme. Cheguei a ficar preocupado, achando que essa seria uma experiência cansativa, mas fui surpreendido: BATMAN é uma obra tão complexa e bem realizada, que fica ainda melhor quando assistida pela segunda vez. Recomendo a todos!

5 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. O filme é perfeito!!! sai do cinema completamente tonta !! Concordo com tudo menos com a parte da Maggie Gyllenhaal. Ela pode não ser tão bonita, mas não tem aquela cara de tonta e sorrisinho torto da Katie Holmes (foi um alívio ela não ter retornado pro filme) ahahha!!

  2. Muito bom mesmo esse filme.. Graças a Deus que o vi antes de encarar essa mudanças de cidade e trampo.. pois sabia que não iria dar tempo.. e de fato não tenho tempo mesmo..rs

    obrigado pela compreensão em não te visitar mais.. tá uma loucura por aqui, ehhee.. mas já to com saudades de vir visita-lo.. tomara que logo logo possa voltar com a minha vida de internauta..rs
    abraços!!!

  3. Cara, filmaço mesmo!!!

    Ledger fará falta pro cinema. Que Coringa foi esse!?!?!!

    Abraço, Davi… e parabéns pelos comentários sobre o filme!!

    “Why so serious?”

  4. O filme é ótimo, mas fiquei bastante triste pela morte de Heath Ledger, o Coringa!
    Meu Deus este ator é incrível por foi embora tão cedo, com apenas 28 anos?

    Também gostei do papel no filme ” O SEGREDO DE BROKEBACK MOUNTAIN “!!! É uma história linda…

    Fika com Deus HEATH LEDGER!
    Você não só brilhou aqui na Terra você trouxe inspirações para seus fãs!

  5. O filme não é pra criança???? PUTA MERDA! De onde as pessoas tiraram isso com um filme que tem classificação PG-13??????????

    Porra, NADA no filme assustaria, ou traumatizaria uma criança. Os americanos não colocaram a classificação pra pré-adolescentes sem passar pela Motion Picture Association Of America. Qualquer pessoa que se considera cinéfilo sabe que se algum filme nos EUA burlar as leis da MPAA envolvendo classificação para crianças e pré-adolescentes (isso é, se o filme tiver cenas impróprias) isso dá CRIME FEDERAL.

    Os estúdios de Hollywood não são burros assim não. Nos anos 80 deu merda com filmes pornôs (diretores, atores, atrizes e estúdios de filmes pornôs colocavam seus filmes em cartaz em SALAS COMUNS de cinema naquela época… época em que os filmes pornôs ainda eram filmados com película, tinham roteiro, etc… e graças ao caso Traci Lord, e a classificação 16 anos pro filme Caligula, o Ronald Reagan colocou o FBI atrás da indústria pornô… foi a partir desse caso que criaram as salas de cinema pra adultos, pra filmes pornôs nos EUA).

    Vocês acham realmente que se o filme tivesse cenas chocantes pra crianças a MPAA ia dar esse mole de colocar a porra de uma classificação PG13???

    Velho, fanatismo tem limite. A adoração em cima desse filme (The Dark Knight) é tanta que nego não consegue enxergar que o filme é pra adolescente. Não tem NADA nesse filme que uma criança não possa ver. Insistem com essa merda de que é filme pra adulto. Faz-me rir.

    Se The Dark Knight é filme pra adulto, os filmes do Hitchcock são SNUFF MOVIES. Só pode!

    Nego tá sériamente precisando assistir a mais filmes!

    Tem filme do Brian De Palma que comparado ao The Dark Knight devia então ser proibído de passar nos cinemas, de tão violentos que são. (E olha que o De Palma é fichinha comparado a alguns diretores do cinema exploitation onde violência e sexo são mostrados descaradamente pra dar público).


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: