FRINGE – Mais algumas considerações

dezembro 6, 2008 às 8:35 pm | Publicado em FRINGE | 5 Comentários

fringe_davi

FRINGE, enfim, começou!

Depois de 9 capítulos que oscilaram entre o “interessante” e o “razoável”, fomos nocauteados pelo espetacular SAFE, que comprovou que, sim, FRINGE tinha uma trama muito bem elaborada e que nada estava ali por acaso.

O capítulo foi tão bom que eu, simplesmente, tive muita dificuldade em escrever sobre ele. Sempre que tentava formular uma frase, várias teorias diferente começavam a surgir e acabam me atrapalhando.

fringe3Para começar, descobrimos que Olivia Dunhan, além de detentora de coragem e determinação inabaláveis, também é, quando necessário, uma pessoa extremamente sedutora. Além disso, fomos surpreendidos pelo fato de que ela possui uma incrível memória fotográfica, capaz de decorar os números dos cofres e que, no final das contas, foram imprescindíveis para o caso.

Walter, por outro lado, conforma minha tese de que praticamente todos os mistérios envolviam o seus conhecimentos e experimentos. Assim, nada mais normal do que descobrirmos que o mirabolante plano dos assaltantes de banco visava encontrar uma antiga máquina, inventada e escondida pelo próprio Walter.

Talvez o que tenha me surpreendido mais tenha sido a demonstração de um lado mais “humano” por parte de Walter, tendo em vista a revelação de que o tal invento havia sido criado como forma de salvar a vida do seu filho Peter.

Também fiquei com a impressão de que é ele, Walter, a única mente capaz de enfrentar o assustador David Jones. Ele, que parecia ser apenas mais um personagem esquisito, mostrado em um capítulo mediano (mas que, depois das revelações atuais, torna-se bem mais interessante), surge como um brilhante vilão, que faz com que a antes amedrontadora Nina Sharp pareça uma adolescente assustada.

Falando em Nina, foi para ela que Broyles ligou, assim que soube do sequestro de Olivia. A sequência confirma que:

1 – Broyles realmente não confia em Nina, chegando a ameaçá-la.

2 – Nina e a Massive Dynamics sentem-se muiiiiiito ameaçados por David Jones.

Outra confirmação é que uma das pessas mais importantes para a história é o finado agente John Scott, ex-parceiro e ex-amante de Olivia. Seu corpo encontra-se nos laboratórios da MASSIVE DYNAMICS, onde o seu cérebro foi varrido em busca de informações que, eles acabam descobrindo depois, estão “instaladas” na memória de Olivia. Essas informações são tão importantes que, além da Massive, temos o própria David Jones e sua equipe interessados nelas – o que acaba causando o surpreendente sequestro de Olívia.

fringeDe forma semelhante ao que acontece em LOST, FRINGE consegue nos confundir ao mostrar que o núcleo de “vilões” nunca é tão simples quanto parece. Em LOST, primeiro simplesmente achávamos que Os Outros eram os vilões. Depois, descobrimos que existiam os membros da Dharma e os Hostis, sendo que os últimos acabaram se aliando a alguns membros da Dharma e eliminando a maioria dos outros, enquanto a própria Dharma, fora da ilha,  encontrava-se dividida. Isso sem contar que ainda não temos certeza de quem, realmente, é vilão.

Aqui em FRINGE, sempre pensei que o grande vilão fosse a MASSIVE DYNAMICS de Nina. Porém agora, sabemos que David Jones está em busca das mesmas informações.

Isso me leva a formular uma teoria maluca: não seria David Jones o verdadeiro “criador” da MASSIVE, afastado através de alguma manobra de Nina, que agora busca o retorno ao poder? Ele também poderia ser o antigo ocupante do cargo de Nina Sharp.

Ou então, ele poderia ser apenas um terrorista, que busca os mesmos conhecimentos da MASSIVE, porém com intensões bem mais nefastas.

Para encerrar, gostaria de listar alguns detalhes que me chamaram a atenção:

– Peter: mesmo que muitos reclamem de Joshua Jackson no papel, acho que poucos atores conseguiriam apresentar, como ele, “cara de bozinho” e personalidade altamente obscura.  Para mim, está ótimo no papel.

– Walter: nem sempre os produtores conseguem “acertar a mão” nas tiradas cômicas deles, como, por exemplo, o colocando para ensinar Astrid a escovar a vaca. Porém, quando acertam, sempre temos momentos hilários. Na semana passada, por exemplo, vimos ele declarando para Olivia que havia tido uma ereção e agora, como não rir quando ele pergunta se Peter e Olívia “gostariam de usar o quarto”…

Enfim, um capítulo estraordinário, que fecha com chave de ouro a temporada 2008 de FRINGE.

FRINGE [S01E10] Safe

dezembro 5, 2008 às 8:52 am | Publicado em FRINGE | 2 Comentários

fringe-110 
Foi o melhor até agora, apesar de ter gostado de todos… mas esse foi demais.
 
O melhor de tudo é quando algumas peças começam a se encaixar e vemos que existe uma lógica sendo seguida. Não há uma estória sendo contada sem pensar no que virá no futuro. Cada peça é colocada em um momento, mesmo que longe de outra, e terá seu encaixe hora ou outra…
 
“Little Hill”!!
 
Foi perfeito, algo que foi muito bem construído e, dúvido, alguém ter pensado e feito o jogo de associações que resultou no resgaste de David Jones…
 
Quando se tem o dom de criar tramas tão bem planejadas, as questões científicas servem apenas para nos espantar com o que é possível (ou impossível) na Natureza. A ciência em Fringe é apenas uma parte, os objetivos de cada organização (Olivia e Broyles, Massive Dynamics ou quem mais estiver envolvido) é que formam o grande enredo da série!
 
Assim como em LOST temos “Walkabout” sendo o episódio que consquista, Fringe esperou 10 dez episódios para nos “conquistar” de vez com “Safe”. Episódio 10 nota 10…
 
Valeu, galera. Abraço!

FRINGE [S01E09] The Dreamscape

dezembro 2, 2008 às 11:30 pm | Publicado em FRINGE | 4 Comentários

fringe_109

Ao me deparar com o ataque de borboletas, logo nos primeiros instantes de FRINGE, imediatamente imaginei Walter dizendo para Olivia: “Lembro de ter trabalhado, uma vez, em um projeto que visava a criação de borboletas assassinas para o governo…”.

Nesse ponto, pelo menos, o episódio conseguiu me surpreender. Em partes, aliás, já que Walter já tinha trabalhado em algo parecido mas, graças a Deus, não envolvia o adestramento de borboletas.

fringe2A teoria “estranha” mostrada no episódio DREAMSCAPE mostra algumas experiências, envolvendo os efeitos físicos do poder de sugestão. Mais ou menos como aquele antigo e-mail, que circulou anos atrás e descrevia um teste onde, supostamente, um condenado à cadeira elétrica era convencido de que todo o seu sangue estava sendo drenado e acabava morrendo – sendo que, na verdade, nenhuma gota de sangue havia sido retirada.

Até por causa desse e-mail, achei a trama mais “digerível” e consegui embarcar mais facilmente na história.

Paralelo a isso, vemos Olivia, que já não aguenta lidar com o fantasma do seu ex-parceiro-e-amante John Scott . Ela resolve, então,  se entregar a mais uma experiência maluca de Walter. No caso, aquela mesma em que ela era dopada e colocada em um tanque de água salgada, com eletrodos ligados à cabeça, visando “penetrar nas lembranças de John”.

Apesar de improvável, essa sequência acaba rendendo ótimos momentos de tensão, em especial aqueles em que Olivia encontra-se frente à frente com John – e sabemo que, mais cedo ou mais tarde, ele acabará olhando para ela. Mesmo sabendo, não consegui evitar o susto…

E não podemos esquecer do momento bizarro que é mostrado aqui: Walter dizendo para Olivia, ao vê-la de trajes de banho, que TEVE UMA EREÇÃO… Impossível não rir…

Enquanto isso, Peter, expondo seu lado mais, digamos, “mocinho com passado obscuro”, recebe a visita de uma ex-namorada (Tessa), que o avisa sobre o perigo que ele corre estando na cidade. Ele descobre que a garota está sendo ameaçada (para entregar seu paradeiro?) e tira a história a limpo. Achei essa parte bobinha demais, já que, se aquelas pessoas realmente eram tão perigosas quanto aparentam, Peter não teria feito nada além de “cutucar a onça com vara curta”. Qual será, realmente, o misterioso passado de Peter? Quem são aquelas pessoas?

observadorFora isso tivemos, pelo menos, uma informação bastante direta sobre a MASSIVE DYNAMICS e os eventos relacionados ao “Padrão”. Não sabemos se realmente trata-se de uma informação confiável, mas o fato é que o personagem George Morales (após comprar uma passagem para São Paulo!) conta a Olívia que tudo não passa de uma grande “cortina de fumaça” que visa, principalmente, disfarçar as verdadeiras intensões da MASSIVE DYNAMICS – segundo o mesmo personagem, essa empresa seria o próprio INFERNO.

Ah, para não deixar passar: o OBSERVADOR bate o record, aparecendo na primeira cena (aos 0:33). 

FRINGE [1X08] The Equation

novembro 24, 2008 às 10:22 pm | Publicado em FRINGE | 1 Comentário

fringe1

Bom episódio de FRINGE, com direito a todos os méritos e também a todos defeitos, já bastante conhecidos, da série.

snapshot20081124212921

O “mistério da semana” envolve uma bela e misteriosa jovem  (a cara da Liv Tyler), que sequestra pessoas com talentos acima da média, em áreas específicas. A última das vítima conhecidas é um garoto chamado Ben, que após um grave acidente de carro, sai do estado de coma com um surpreendente talento musical. Ele e seu pai viajavam de carro, quando se depararam com a tal jovem misteriosa. Ela finge estar com o carro estragado e o pai de Ben resolve ajudá-la. Ele acaba entrando em uma espécia de transe, causada por estranhas luzes que piscavam dentro do capô do carro. Ao acordar, não encontra Bean e nem a jovem, que simplesmente haviam desaparecido.

Olivia e sua equipe são acionado e, durante as primeiras investigações, descobrem vários casos similares. O mais surpreendente é que as pessoas sequestradas sempre reaparecem, algum tempo depois, totalmente enlouquecidas –  algumas se suicidam e outras cometem crimes bárbaros.

Até aí, uma história das mais interessante mas que, infelizmente, começa a decepcionar quando Walter pronuncia a sua já célebre frase “Já trabalhei num projeto parecido”. Mesmo que não tenha sido um projeto para o governo ou a Massive Dynamics (aliás, andam sumidos), é chato demais ver que Walter sempre está envolvido. Para piorar as coisas, uma das vítimas também havia sido colega de quarto dele, durante sua “estadia” no Sanatório St. Claire.

snapshot20081124212403Além disso, estou achando um pouco forçadas as imposições do roteiro, criadas unicamente com a intensão de deixar os personagens em situações complicadas. Na semana anterior, o prisioneiro exigia falar com uma pessoa já morta. Agora, é o diretor do sanatório, que exige que apenas Walter tenha acesso ao paciente, na tentativa de conseguir alguma informação.

ATENÇÃO! SPOILERS A FRENTE!

O episódio tem um clima ainda mais misterioso que os demais: entre outras coisas, Walter encontra ele mesmo, durante sua nova passagem pelo sanatório. Não fica claro (e nunca deve ficar) se são alucinações ou alguma outra coisa. Assim como os mortos que são misteriosamente revividos por Joanne – provavelmente visões, decorrentes de algum tipo de droga aplicado por ela nas suas vítimas.

De qualquer maneira, achei completamente absurda a resolução do episódio. Mesmo se tratando de alguma equação “orgânica”, presente no subconsciente das pessoas ou algo do gênero, deveriam haver muitas outras alternativas para tentar resolvê-la.

observador1

Mesmo assim, fiquei bastante curioso com aquele experimento, realizado depois da resolução da equação e que possibilitou que o agente Mitchell Loeb (sim, aquele mesmo que tinha um verme enrolado no coração, no episódio anterior) atravessasse uma parede sólida e retirasse uma maça, intacta, de dentro do cofre. Será que planejam um mega-assalto, utilizando essa tecnologia?

 

Ah, já ia esquecendo. O Observador aparece aos 40:36…

FRINGE [1X07] In Which We Meet Mr. Jones

novembro 14, 2008 às 12:09 am | Publicado em FRINGE | 4 Comentários

fringe

Até já imagino a reação de todos a esse novo episódio de FRINGE. Acredito que muitos voltarão a espernear, reclamando da “falta de respostas” e do “ritmo arrastado” da série. Meu conselho? Acostumem-se ou desistam, porque parece que essa será a formula de FRINGE.

Eu, particularmente, gostei muito do episódio. Tivemos novamente um começo impressionante (e nojento) e um novo “mistério da semana” para Walter e sua equipe. 

Desta vez, um agente do FBI, chamado Mitchell Loeb passa mal, logo após participar de uma investigação frustrada. Ele precisa ser operado as pressas e descobrem uma espécie de verme gigante grudado no coração.

A partir daí, acompanhamos as tentativas de Walter de salvar a  vida do agente, que por sua vez é muito amigo de Broyles. Enquanto isso, Olivia busca informações sobre a origem daquela estranha contaminação e acaba indo parar na Alemanha, onde reencontra um ex-namorado. É na Alemanha também que temos mais uma das famosas aparições do Observador, mais precisamente no aeroporto de Frankfurt, aos 15m 53s.

observador

A “experiência estranha” da semana inclui um cadáver que é ligado ao cérebro de Peter e, sob determinados impulsos elétricos, consegue transmitir uma resposta importante para a resolução do caso. Pois mais absurda que pareça, a experiência foi apresentada de maneira interessante e, devido aos resultados bastante subjetivos que gerou, acabou não me parecendo algo tão bizarro.

Em relação as respostas, por enquanto ainda não tivemos nenhuma que realmente acalmasse os fãs. A única informação que pareceu ser importante acabou sendo dada por Broyles. Segundo ele, “O Padrão” está ligado à uma rede de terroristas tecnológicos, que realizam demonstrações públicas das suas descobertas (como ocorrido no ônibus ou então no avião do episódio piloto) para comprovar a eficiÊncia das mesmas – e posteriormente lucrar com elas.

snapshot20081113235959Desta vez, não tivemos nenhuma referência a Massive Dynamics e a resolução se dá mais por conta do esforço de Olivia do que de alguma descoberta de Walter – o que é muito bom.

Gostei muito do clima “não confie em ninguém” que acompanhou todo o episódio e que chegou ao seu auge na ótima cena final. Além disso, os produtores fizeram questão de, sutilmente, colocar uma pulga atrás na orelha de todos: foi revelada a existência de um informante dentro do departamento e sempre que havia uma citação sobre o assunto, a câmera enquadrava Peter, com uma expressão misteriosa.

Outro ponto positivo foi a construção de momentos bastantes tensos, especialmente dois momentos que contavam com o fator “urgência”: a visita de Olivia a cadeia, na Alemanha e, principalmente, a corrida contra o tempo realizada por Peter, que precisava impedir que determinado suspeito fosse morto. 

Assim, FRINGE segue em frente, como uma série que divide opiniões, mas que mantém suas convicções – o que, para alguns é um defeito, mas para mim acaba sendo sua grande virtude.

Próxima Página »

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.