HEROES [3X04] – I Am Become Death

outubro 10, 2008 às 9:09 am | Publicado em Heroes | 3 Comentários

Por Davi Cruz

Dizem que uma imagem vale por mil palavras…

Juro que tentei assistir  I Am Become Death mas, simplesmente, não deu. Além da história chata e confusa, eu simplesmente percebi que os roteiristas enlouqueceram de vez. Eles chegaram à um ponto onde TUDO É POSSÍVEL. 

Morreu um personagem? E daí? Alguém pode voltar no tempo e salvá-lo.

O mundo acabou? Tanto faz… basta voltar no tempo…

A graça em um filme ou em uma série está no fato de nos preocuparmos com o destino de, pelo menos, um personagem. Em HEROES, isso não acontece mais.  

Enfim, a única coisa que eu gostaria é poder viajar no tempo, como os personagens de HEROES, para ir até o futuro e ver como é que essa bomba vai acabar.

Anúncios

HEROES [3X03] – One of Us, One of Them

outubro 1, 2008 às 12:14 pm | Publicado em Heroes | 2 Comentários

Acho inexplicável que eu ainda continue assistindo HEROES, pois simplesmente estou odiando essa temporada. Talvez a única explicação seja a curiosidade, para saber onde toda essa porcaria vai dar.

Fico impressionado com a total falta de capacidade, por parte dos criadores da série, que dispondo de fartos recursos, não conseguem dar um rumo decente para a história – e, neste quesito, o terceiro episódio não veio acrescentar absolutamente nada.

Primeiro, tivemos a confirmação de que Sylar é mais um Petrelli. Já são seis agora, convivendo na mesma história: Sylar, Ângela, Nathan, Claire, Peter-do-presente e Peter-do-futuro. Isso está com uma terrível cara de novela, com revelações de parentesco a todo o momento.

Para piorar, Mama Petrelli junta Noah e Sylar naquela absurda missão. Não sei ao certo o que ela pretende com isso, já que Angela aparentemente só quer saber de ver o circo pegar fogo. O comportamento de Sylar está cada vez mais bobo, pois parece que os roteiristas tendem a transformá-lo em um herói (já que o público gosta dele).

Parkman ainda encontra-se na África, em compania do clone negro de Isaac Mendez. Não custava eles terem “inventado” um poder diferente? A única diferença é que o cara usa a música (e não a heroína) para pintar. Bobagem totalmente descartável.

Já Hiro e Ando, como de costume, continuam fazendo cagadas em uma historinha que não conseguem fazer ninguém rir. Eu aproveito essas sequencias para tirar uma sonequinha.

Mohinder e Maya não deram as caras, o que é uma pena, já que fiquei curioso com aquela “transformação” do indiano. Torço para que ele se transforme em uma mosca gigante, devore a Maya e depois vôe para Marte…

Ainda na lista de bobagens da série, descobrimos que Nikki morreu mesmo (mais alguém achou que dentro do caixão estaria o John Locke?), sendo a personagem mostrada (Tracy) é  realmente outra pessoa. Aparentemente, trata-se de um clone (eu sei, eu sei…) criado por um tal de Dr. Zimmerman. Resta saber quantos clones existem e quais os seus poderes (e se tem algum roteirista da RECORD envolvido na produção de HEROES).

Para encerrar: que bobagem foi aquela da sequencia da Claire, junto com a mãe, dentro de um container de metal? Quer dizer que a mãe de Claire não precisa de oxigêncio para respirar?

Sinceramente, larguei HEROES de mão…

HEROES [3X01] The Second Coming & [3×02] The Butterfly Effect

setembro 24, 2008 às 10:35 pm | Publicado em Heroes | 1 Comentário

Não consigo encontrar motivos para tanto oba-oba em relação a volta de HEROES. Achei os dois episódios estremamente esquisitos, parecendo aqueles da safra pós-greve dos roteiristas, que foram gravados e montados meio que “nas coxas”. Informações demais, trama mal desenvolvida e episódios pessimamente dirigidos.

Talvez o exemplo mais óbvio disso sejam duas cenas,  que deveriam ser das mais importantes, que vieram ao ar totalmentente confusas e sem clima de tensão nenhum: o ataque de Sylar à Claire e a fuga os “Bad Heroes” da prisão.

A primeira, com Sylar, chegou a me deixar constrangido, devido àquela sombra  circulando pela tela, enquanto a “pobre garotinha”‘ brandia uma faca (no melhor estilo PSICOSE)… A sequência valeu apenas pela “autópsia” realizada por Sylar em Claire, muito bacana e com tiradas ótimas do vilão.

Já a cena da fuga da prisão, parecia uma montagem, tipo “Previously in Heroes”: acelerada e meio sem sentido. Tive a impressão de que cortaram partes importantes, no momento da edição.

A história, como um todo, voltou bastante chata. Hiro e Ando, por exemplo, continuam engraçadinhos, mas envolvidos em temas bobos. O que foi aquela sequência da abertura do cofre, com direito a “pegadinha” do seu pai? E depois, a forma estúpida como Hiro deixa a metade da fórmula ser roubada…

Parkman, que sempre foi um dos meus personagens preferidos, encontra-se envolvido em uma ridícula viagem pelo deserto (ou seria pela sua própria mente?). A forma como ele foi parar lá (seguinde o Future-Peter, que o manda para lá) e toda a sequencia que mostra Natan Petreli sendo atingido, também ocorrem de forma apressada demais .

Falando em Future-Peter e Natan, que bobagem é essa de transformar Natan em um fervoroso religioso? Que, ainda por cima, mantém contato com o falecido Linderman! Enquanto isso, Peter (do presente) é trancafiado dentro do corpo de um dos “vilões” do título? Bizarro…

Gostei do encontro entre Peter e Claire no futuro, com toda aquela história dela “ser diferente” (repetida depois por Sylar) e com ela tentando mata-lo. Porém, como Peter voltou no tempo e mudou tudo (efeito borboleta), todo aquele enredo promissor e curioso acabou perdendo o valor!!!

Algo interessante foi o sonho de Mama Petreli (o poder dela é só esse?), mostrando Hiro, Claire, Parkman e Peter sendo mortos, diante de Takezo, Niki  (ou seria Tracy?), o pai de Parkman e um negão com cara de mau.  Se bem que, com essa enrolação de viagens no tempo, pode ser que aquilo nem venha a chegar perto de acontecer…

Morinder  agora, além de chato, tem poderes. E ainda por cima, “passa o rodo” na também chata (mas gostosa) Maya. Adorei os efeitos colaterais que apareceram no dia seguinte, que me lembraram o filme A MOSCA.  Aquilo tudo soa como uma confirmação de que os poderes são “dons de Deus” e não podem ser dados a qualquer um.

Gostei muito da volta de Elle (menos na confusa cena da fuga, já citada). Principalmente porque, após ser “demitida” pela nova chefe da compania, Angela Petreli, ela deve envolver-se mais com o mundo exterior (traduzindo: com os outros Heroes).

Fiquei curioso também com a história de Niki: ela assumiu outra identidade ou realmente seria outra pessoa (uma irmã perdida). Penso que poderia ser isso porque seria difícil para ela ter assumido outra vida, em tão pouco tempo. Quem a contratou, provavelmente pesquisaria seu passado, etc. Além disso, ela tem outro poder: ela congela as pessoas, como naquelas famosas cenas com nitrogênio líquido, onde a vítima se “quebra toda”.

Claire, depois do seu encontro com Sylar, deixa de sentir dor. E, numa atitude super-criativa, resolve pular na frente de um trem enquanto é filmada (lembrar dela pulando da ponte na primeira temporada?). Pra que tudo isso? Uma facada não serviria?

Fora isso, o encontro com a sua verdadeira mãe, no final do episódio foi dos mais grotescos. Mamãe Claire precisava acender aquela fogueira na mão, para mostrar a todos QUAL ERA O SEU PODER?

Já que estou falando em PODER, acho que um dos grandes defeitos (desde sempre) de HEROES é justamente a falta de talento, por parte dos roteiristas, para lidar com os diferentes poderes dos personagens. Tanto que, começando nova temporada, já temos vários personagens deixados de lado, pois os roteiristas simplesmente NÃO SABEM COMO LIDAR COM ELES. Se, em outras temporadas, deixaram Sylar sem poderes e Peter sem memória, agora afastam Parkman, deixam Natan maluco, prendem Sylar novamente, etc…

Segundo declarações (SPOILERS) espalhados pela blogosfera, teremos uma “inversão” de papéis nessa temporada, com “mocinhos” agindo como “vilões” e vice-versa, além de uma inusitada parceria entre Sylar e Peter.

Para encerrar, fiquei com um pouco de expectativa em relação aos Bad-Heroes fujões. Os caras realmente parecem maus (de forma caricatural até). Vamos ver no que isso vai dar.

Por enquanto, estou bastante decepcionado com HEROES. Os roteiros, que sempre foram o calcanhar de aquiles da série, devendo muito em qualidade e agora são seguidos de perto pela direção confusa. É claro que sempre existem os fãs que adoram qualquer merda que é posta no ar. Mas acho que, quem apenas “gosta” da série deve estar bem descontente.

Sei que a série tem potencial, principalmente pelos ótimos personagens que compõe a trama. Nem tudo está perdido, pois tivemos alguns bons ganchos para os próximos episódios como, por exemplo, a declaração de Ângela Petreli, revelando ser mãe a de Sylar… O negócio é aguardar para ver.

HEROES [2X11] – Powerless

dezembro 10, 2007 às 3:15 pm | Publicado em Heroes | Deixe um comentário

Davi Cruz – Nota 9,0

Apesar das muitas falhas durante este VOLUME DOIS de HEROES, não posso deixar de reconhecer o esforço dos realizadores, na tentativa de criar uma SEASON FINALE digna, apesar de toda a dificuldade causada por essa greve dos roteiristas.

Diante disso, e mesmo com as fragilidades naturais de HEROES (diálogos bobos, dificuldade de lidar com tantos poderes diferentes, falta de foco nos principais acontecimentos, etc), posso dizer que gostei muito do episódio e que ele me deixou com uma boa expectativa para o retorno da série, no chamado VOLUME TRÈS – VILÕES (que só Deus sabe quando irá ao ar).

O criticado Dr. Mohinder Suresh (inclusive por mim) consegue, enfim, ter alguma idéia inteligente: mesmo pressionado por Sylar, consegue acionar o sistema de segurança do seu laboratório (localizado no antigo apartamento de Isaac Mendez) e enviar um sinal de alerta para o Q.G. da Compania.

Quem percebe o chamado é Elle. Na tentativa de agradar ao seu pai, ela resolve ir até o local sozinha e enfrentar Sylar. Parcialmente derrotada (Sylar consegue fugir), a garota acaba descobrindo uma nova sensação, até então desconhecida por ela: a satisfação de fazer a coisa certa. Tanto que ela mal consegue disfarçar a alegria que sente, ao perceber que acabara de salvar a vida de três pessoas (Mohinder, Molly e Maya), sendo considerada por elas uma verdadeira “heroe”.

Enquanto isso, Claire está decidida a divulgar a história da Compania para o mundo. Sua mãe e West tentam fazê-la mudar de idéia, pois acham que essa é uma decisão perigosa, mas ela não lhes dá ouvidos. Noah Benett reaparece e, passado o susto, conta como sua vida foi salva pelo sangue de Claire e pede para que ela desista do seu plano.

Neste ponto, fica evidente que a produção de HEROES estava correndo contra o tempo: assim como na cena entre Claire e West (eles discutem, rompem o namoro e ele vai embora voando, tudo isso em poucos segundos), a conversa com sr. Benett é bem rápida (ele fica em pé mesmo e logo vai embora, sem sequer abraçar ninguém).

Deixando de lado a pressa da sequência, o fato é que logo descobrimos que o sr. Benet estava ali como parte de um acordo feito entre ele e Bob (sempre ele), de modo a preservar a segurança da sua família. Aparentemente, a Compania os deixaria sossegados, desde que Claire desistisse do plano e Noah voltasse a “colaborar” com a Compania (mais detalhes adiante).

Temos outro personagem que deve ter se despedido do seriado (nunca se sabe, numa série onde todos morrem e ressussitam sem maiores cerimônias…) é Nikki. A loira consegue salvar Mônica, que estava prestes a ser queimada viva, mas acaba ficando presa no prédio. Mônica consegue sair, mas antes que Nikki saia o prédio explode. A personagem realmente não me agradava muito e pouco tinha contribuído para a história, principalmente nesta segunda temporada.

E, finalmente, temos a sequencia mais importante do episódio. De cara, presenciamos o duelo entre Peter e Hiro, com a vitória do primeiro (ajudado pelo fato de Hiro não querer fazer mal a Peter). Com isso, Adam e Peter ficam livres para invadir o prédio da Primatech Papel – atravessando corredores repletos de “inimigos” que são derrotados sem grande esforço, bem ao estilo de games como DOOM.

Hiro tenta impedí-los novamente e só não é morto por Peter porque Parkman e Nathan chegam a tempo. E basta uma rápida conversa entre os dois irmãos para que o “manipulável” Peter mude seus conceitos em relação a Adam (só não me perguntem o porque de Nathan esperar que Parkman leve uma surra de Peter, para depois aparecer). Numa sequencia rápida, mas eficiente, Hiro consegue derrotar Adam (na verdade, desaparece com ele) e Peter consegue destruir o vírus Shanti.

Encerrando o episódio, temos Nathan prestes a dar um discurso, contando toda a verdade sobre os HEROES, quando é atingido por vários disparos. Será que ele morreu? Quem disparou e quem foi o mandante? Só daqui a alguns vários mêses para termos essa resposta…

Minha humilde teoria:
– O autor dos disparos foi Noah Benett, ainda como parte do acordo com Bob (já sabemos que ele é capaz de qualquer coisa para proteger sua família e Bob é capaz de tudo para preservar a Compania). E a pessoa ao telefone com Angela Petrelli, obviamente, é o próprio Bob.

PRÓXIMO VOLUME

A próxima temporada (ou volume, como queiram) promete muito. E, como o próprio nome diz, será centrada nos vilões da história. Aliás, vilões é o que não falta a esse seriado:

– Bob: assim como Ben Linus de LOST, é um personagem enigmático e muito interessante.

– Adam: apesar de ser um grande personagem, extremamente manipulador, não consegui me convencer muito das suas motivações. Querer destruir o mundo com um vírus, apenas para começar tudo de novo, me pareceu algo um tanto quanto bobinho – ou pouco criativo. Termina a temporada enterrado vivo, no mesmo cemitério do pai de Hiro, mas acredito que deva escapar e voltar para atormetar os HEROES.

– Sylar: pra mim, já deu o que tinha que dar. Porém, como é adorado pela maioria dos fãs de HEROES, deve voltar com toda a corda. Sua última cena é prova disso. Aliás, achei a cena genial: reparem que a lata que ele pega, ao recuperar seus poderes, é uma lata de espinafre, numa divertida referência ao personagem Popeye.

– Angela Petrelli: tão má quanto Sylar, manipuladora como Adam e com motivações misteriosas, ela me causa calafrios cala vez que aparece na tela…

CURIORIDADE

Gostaria de saber se mais alguém ficou curioso em relação aos itens expostos na sala onde estava o vírus Shanti. Consegui identificar estes:
1-um cérebro
2-uma adaga
3-uma estátua de um cavalo, que lembrou o Cavalo de Tróia
4-cartas de um baralho
5-uma chave dourada

Fiquei curioso sobre a importância deles na trama (se fosse LOST, obviamente significariam algo, mesmo que levassem anos para explicar).

Bom, teremos muito tempo para teorizar sobre eles e os outros assuntos da série – além de torcer para que a greve dos roteiristas termine logo…

HEROES [2X10] – Truth & Consequence

novembro 27, 2007 às 10:36 pm | Publicado em Heroes | Deixe um comentário
Davi Cruz – Nota 8,0

Apesar de ser um episódio interessante, com “Truth & Consequence” a série volta a pecar por dispersar demais a história, mostrando diversas situações e personagens de maneira muito rápida, com pouco desenvolvimento.

Fica bastante claro os produtores precisaram adiantar bastante a trama, pois a greve dos roteiristas os forçou a encerrar a temporada já no próximo episódio. Assim, o episódio ficou com cara de resumo, bem ao estilo “Previously… in Heroes“.

Entre as diversas tramas paralelas mostradas, começamos com Sylar. Ele ensina Maya a controlar seus poderes, ao mesmo tempo que seduz a moça e a joga contra o próprio irmão Alejandro. Este descobre que Sylar é um assassino e tenta avisar a irmã, que mesmo assim está disposta a seguir viagem, sozinha, com seu anjo Gabriel – que assim que tem uma oportunidade, mata Alejandro e depois ainda dá uns amassos em Maya. Que aliás, é bem burrinha e manipulável…

Na Califórnia, Bob vai até a casa dos Benett e entrega a Claire uma urna, com as supostas cinzas do seu pai, Noah Benett. Ela se desespera, pois acredita que seu pai realmente está morto (Bob mente muito bem!) e prepara-se para, juntamente com a mãe e o irmão, ir embora.

Antes porém, vai jogar as “cinzas do pai” no mar e percebe que está sendo vigiada pela loirinha Elle – que estava ali cumprindo ordens do papai Bob. Claire resolve tomar uma atitude e enfrenta Elle, dizendo que vai contar a todos sobre a Compania, fazendo com que Elle e seu pai tenham que fugir.

Não sei bem qual será a eficácia do plano dela, mas o fato é que alguém finalmente resolveu tomar uma atitude. E como Claire não tem nada a perder, acredito que tenha assustado Elle.

Enquanto isso, Noah Benett, revivido pelo sangue da filha, está preso e tenta convencer Mohinder de que ele está sendo enganado por Bob e pela Compania (mas é claro que a anta não lhe escuta).

Um parênteses: quanto mais eu assisto HEROES, mais tenho certeza que estão copiando LOST. Ou alguém discorda de que Bob e a Compania são totalmente “inspirados” em Ben Linus e os Outros?

Voltando a Mohinder, ele consegue uma vacina que pode curar Nikki. Faz isso misturando seus próprios anticorpos ao sangue de Claire (hmmmm…). Imediatamente liga para a loira e a avisa que está indo encontrá-la, para testar a vacina.

Nikki, porém, terá que enfrentar outros problemas antes de encontrar o doutor. Aliás, uma historinha boba criada para encher lingüiça: Micah tem sua mochila, contendo seus gibis e a medalha do pai, roubada (nem vou entrar em detalhes). Mônica, sua prima, resolve ajudar e vai atrás dos criminosos. Mesmo com seus poderes, ela é facilmente capturada pelos ladrões. Micah presencia a cena e corre para pedir ajuda a mãe… Quanta criatividade…

Para piorar a situação, Mohinder recebe uma ligação de Sylar. Ele está na casa do doutor, juntamente com a Maya (outra anta, que formaria um lindo casal com Mohinder) e Molly (onde está Parkman?). Sylar exige que Mohinder vá imediatamente até lá. E agora, qual será a estratégia do doutor? Eu pediria ajuda a Bob… mas Mohinder deve bolar um plano bem estúpido e ir sozinho ao encontro Sylar…

E para completar, temos a trama envolvendo Hiro, Peter e Adam.

Adam convence Peter de que a Compania é má e usará o vírus Shanti para destruir o mundo. Para impedir que isso aconteça, precisam encontrar Victoria Prett (a ruiva da foto) e conseguir com ela a localização das amostras do vírus, em especial a variante 138, que é a mais letal (falando em Victoria, lembrei que Parkman deve estar a procura dela também… porém não dá as caras neste episódio).

Com uma facilidade incrível, eles encontram ela e conseguem a informação. Victoria ainda tenta avisar Peter sobre o perigo que corre ajudando Adam, mas este acaba a matando “acidentalmente”. Os dois partem para Odessa, no Texas, local onde a Compania mantém o vírus guardado a 30 anos.

Enquanto isso, temos Hiro e Ando, na sede das empresas Nakamura, tentando descobrir o paradeiro de Adam. Chega a ser ridículo como eles descobrem tudo sobre o cara em alguns minutos, apenas vasculhando em algumas caixas velhas. Se ainda tivessem usado o Google…

De posse das informações, Hiro vai até o Depto de Pesquisa da Compania, em Hartsdale,NY, no ano de 1977 e presencia o momento em que Adam é preso, ao tentar roubar a variante 138 do vírus. Ele é detido justamente por Victoria Prett e pelo pai de Hiro, Kaito Nakamura. Victoria pede para que ele destrua todas as amostras do vírus, para evitar novos incidentes. Como ele nega e manda as amostras para Odessa, ela abandona o projeto.

Hiro volta até os dias atuais, pega a espada e Takezo Kensei e segue até Odessa, pois está decidido a destruir o vírus e impedir a contaminação. Lá chegando, encontra Peter Petrelli e Adam e resolve matar Adam, para vingar seu pai.

Peter porém está convencido que Adam tem boas intenções e diz que não vai permitir que Hiro faça aquilo. O episódio termina antes do enfrentamento dos dois HEROES mais poderosos.

OBSERVAÇÕES FINAIS:

– Adam diz que ele e Peter só podem morrer se forem atingidos na cabeça. O mesmo obviamente se aplica a Claire. Porém, como é que o sr. Benet, que nem era imortal e foi atingido na cabeça, conseguiu ressuscitar depois? Isso me leva a crer que eles NÃO PODEM MORRER!!!!

– Victoria, em 1977, diz que Adam deve ter tido alguma ajuda para saber onde a amostra do Vírus se encontrava. Quem será que estava o ajudando?

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.